Amizade

Rolê das lindas 2.0

sexta-feira, abril 24, 2015

Uma das graciosidades da internet, especialmente no mundo dos blogs, é conhecer gente linda, que com papo indo e vindo se torna especial e começa a fazer mais parte da nossa vida.
Foi assim com a Bru e com a Thami. Graças ao nosso projeto, o Projeto das Lindas, e com a ajuda do twitter e whatsapp eu me aproximei dessas muchachas e descobri que temos muito em comum, especialmente quando o assunto é comida hahahaha.



Mas ai não dá para ficar apenas na conversa, temos que sair, nos ver, conversar e tudo mais. Na primeira vez que marcamos para sair, fomos dividir uma pizza mesmo e foi muito bom! Parecia que saíamos já há anos e não conseguíamos parar de falar. Então não demorou muito e marcamos o Rolê das Lindas versão dois ponto zero.




O local escolhido dessa vez foi a Feira de São Cristóvão, local voltado para a cultura nordestina dessa Brasil lindo. Ou seja: boa comida hahahaha.

Comemos carne de sol, aipim frito <3, e feijão tropeiro <3, até dizer chega e depois de sobremesa um sorvete maravilhoso! Escolhi os sabores: banana, abacaxi e graviola. Preciso dizer que quero voltar nessa feira só para comer mais desse sorvete divino!
Ah, também tomei pela primeira vez suco de graviola, indicação mara da Thamires, e nossa migos, podem ir com fé que a coisa é boa!


Várias dúvidas e muita pressão para escolher os sabores do sorvete



Famoso Guaraná Jesus rosinha

Cocada maravilhosa que trouxe pra casa






Debs modelando a la Eduardo Bravin haha








Camiseta jeans era o uniforme do encontro, só que esqueceram de me avisar haha.
Já esperando o rolê versão três ponto zero né?

Alaranjado

sábado, abril 18, 2015
Hoje eu optei por esperar o pão fresco sair na padaria, ao invés de voltar para casa apenas com o pão de milho.
Sentei em uma das caderias que havia na calçada e agradeci. Por ter me disponibilizado a ir na padaria, ao invés de uma das minhas irmãs, por ter ido sozinha, por ter escolhido esperar o pão. Graças ao céu alaranjado que me encontrava quando eu olhava para cima, que me fazia pensar: puxa, como a vida é linda.



I walk to the meadow and stare at the flowers better dressed than any girl on her wedding day. So why should I worry? Why do I freak out? God knows what I need. You know what I need!

Your love is, your love is, your love is strong.

Crises

Lusco-fusco

quarta-feira, abril 15, 2015
É muito complicado falar de algo muito bom, como também é muito complicado falo de algo muito ruim. Quando falo de algo que é muito bom para mim pode soar como algo prepotente para quem escuta, e eu acho isso tão ruim, porque só queremos compartilhar aquilo que tá fazendo tão bem a nós. Quando falo sobre algo muito ruim, que está me fazendo mal, fico com medo de estar me expondo muito, de estar falando demais da minha vida pessoal, ou medo de que não serei compreendida. Acaba que falo mais dessas coisas com minhas irmãs, e com pouquíssimos (mesmo) amigos. O que dirá escrever aqui no blog, raramente vem parar aqui.

Dia desses fui dormir e escrevi um post todo na minha mente. Foi uma daquelas noites que os pensamentos me tomaram a mente, me encheram de angústia e até levantei e comentei com minhas irmãs que nossa, eu estava com medo do futuro.
No outro dia pensei em digitar no teclado, de fato, tudo que havia digitado na minha mente na noite anterior, mas não queria me abrir tanto no blog.

Hoje ouvi uma pessoa falando, num vídeo, sobre se sentir plena, naquele momento que você tem um insight e enxerga a vida com um olhar mais ávido e ver o quanto ela é incrível, e que meu Deus, tudo é possível e isso te enche de um sentimento incrível. Foi ai que uma inquietação, já constante na minha vida, aumentou e eu pensei "ok, eu preciso escrever sobre isso!". Porque tem tempos que ando com essa inquietação dentro de mim ao invés desse sentimento incrível.

Sempre falei que os acasos da vida poderiam passear por onde quisessem, menos na minha família, especificamente na vida deles. Os acasos poderiam aparecer na minha vida profissional, universitária, amorosa, financeira, religiosa, em tudo, menos na minha família, obrigada. Mas daí que até parece que temos algum tipo de controle, né?
Sempre enxerguei com nitidez que eu era uma felizarda e sempre fui grata por isso. Normal era eu falar com o meu pai, que nossa a gente tem uma vida incrível.
Porque os problemas até vinham, eles sempre vêem, mas eram nesses pontos onde o acaso podia tocar, onde ele toca e até faz bem e eu consigo enxergar com tranquilidade, mesmo tudo estando um caos ao redor, porque tudo bem, não são problemas que afetam necessidades minhas, ou seja, basicamente minha família, porque se eu os tenho, o resto a gente supera.

Mesmo sendo grata à vida, eu sempre temi que o acaso viesse em um desses pontos que ele não podia tocar. E ele veio...  Me pergunto se alguma vez (na vida de alguém) ele não virá.
Três dias antes do meu aniversário, enquanto voltava do estágio, minha irmã me mandou uma mensagem falando que meu pai teve um avc e eu simplesmente desmoronei. 
Foi por isso que falei tanto, no twitter, que eu queria cancelar meu aniversário desse ano e seguir com meus 20 anos como se nunca tivesse alcançado os 21, porque não senti que alcancei já que não houve qualquer sentimento que remetesse a aniversário no dia 25 de janeiro, dia que nasci.

Desde do dia 22 de janeiro a única que eu faço sentir é inquietação. Aperto no coração. Por isso que o vídeo que vi hoje mais cedo me fez querer vir aqui escrever. Estou com saudades desse sentimento de esplendor que nos toma o corpo quando a gente olha pra vida com bons olhos. 

Eu não sabia direito o que esperar depois daquela mensagem, e acontece que até agora não sei tão bem, sei muito mais, sem dúvida, mas não sei tão bem, e essa incerteza incômoda, e as vezes chega a doer mesmo.
Não dá para eu ficar bem por dentro, me sentir realmente bem com meu pai não estando cem por cento bem.
Ele já saiu do hospital, graças a Deus, e está em casa tem um mês, mas está ainda se recuperando das sequelas, que afetaram a fala e o lado direito dele. Então não dá para conversar com o meu pai como eu fazia antes, eu converso, mas não como antes. Não dá para falar sobre todo e qualquer assunto com ele. Nem dá para ir pegar uma praia no final de semana, coisa que a gente ama fazer.
Recuperação de AVC é lenta, demora meses, até anos. Você enxerga pequenos, pequeninos avanços e já fica feliz. Uma palavra nova, uma mexida no braço e já é motivo de comemoração. E daí que só Deus sabe quando tudo vai se normalizar, pro meu coração se normalizar junto.

Toda vez que ele chora, é o coração que aperta por dentro. Toda vez que mamãe ou irmãs me ligam, é o coração que gela morrendo de medo de ser uma notícia ruim. Toda noite é a mente sem conseguir relaxar.
É todo o dia, todos os dias da semana, a alma nessa inquietude.

E eu nunca me senti assim antes. Sempre consegui olhar para os problemas e relativizar eles, por maior que eles fossem, conseguia fazer minha alma ficar em paz, dizer pra ela que tá tudo bem e ela compreender. Não agora.

Ontem, num show, o Silva cantou: 

"Veja só o lusco-fusco e eu reparo
É o fim do mundo e o que sei
É que eu não sinto mais medo"

Por um minuto eu cantei isso, e eu repeti isso e eu acreditei que eu não precisava sentir medo, que tudo ia ficar bem. Por um minuto enquanto eu cantava eu consegui aquietar minha alma. Então, passou.

De fato eu não preciso sentir medo, especialmente porque tenho Deus. Meu avô já teve um AVC, que precisou até fazer uma operação, e hoje anda, fala, e tem sua personalidade, maravilhosa até. A mãe de uma amiga nossa, também já teve, e chegou até entrar em coma, e hoje dirigi, pinta, vive super bem. E vários casos ao meu redor de AVC foram aparecendo, com suas respectivas recuperações e poquíssimos resquícios de sequela.
Além disso, apesar de AVC ser algo que com acompanhamento as sequelas podem ser revertidas, no caso de ser preciso um milagre ainda tenho Deus que curou minha irmã Ester, no meio de uma oração, quando ela só tinha uma hora da vida, e está até hoje viva sem sequela alguma da meningite que ela teve. Então sim, uma hora, tudo vai ficar bem.

De qualquer forma, mesmo sabendo disso, eu não consigo olhar pro futuro e ignorar o presente, falando pra mim mesma que é apenas uma fase. Que logo, logo vou poder conversar normalmente com meu pai. Que logo, logo vou compreender tudo o que ele quer e fala. Que logo, logo ele não vai ter mais motivo algum pra chorar. Porque agora dói sabe, e as vezes dói muito. E eu não tenho previsão de quando vai parar de doer, quando vai parar de inquietar.

Só passa logo vida, vamos tentar adiantar esse tempo.
Refletir

21 coisas que eu aprendi com 21 anos

segunda-feira, abril 13, 2015
A Anna fez esse post maravilhoso e eu terminei de ler já querendo fazer minha lista.  A oportunidade de fazer surgiu quando ela se disse tentada a fazer uma lista igual a desse meu post aqui (que inclusive tem 21 itens porque eu tenho 21 anos). Aproveitei a deixa pra fazer uma troca que considero justíssima. Ela faz a lista dela inspirada na minha lá no blog dela e eu faço a minha lista inspirada na lista dela aqui haha.

Acontece que a fase pós-adolescência é uma fase rica em amadurecimento. É tanta coisa que você aprende. Tanta certeza que cai. O mundo gira tão rápido, que acho bom parar e escrever tudo isso que a gente aprende em tão pouco tempo de vida, pra gente pensar ainda mais, lembrar de vez em quando e acreditar mais nessas verdades (ou não) que nos são apresentadas. Aqui vão então as 21 coisas que eu aprendi com 21 anos:

Be..

1. Não é preciso ter pressa. Nem é preciso ser ansiosa. Basta a cada dia seu próprio mal.

2. Estou em constante processo de mudança.

3. A vida na verdade é um bocado de incertezas dentro de um caos.

4. Nada na vida é linear.

5. Terá gente escrota em todo e qualquer lugar, faz parte da palavra amadurecimento saber lidar com elas.

6. Você pode o que você quer. Mesmo que demore anos.

7. É totalmente possível viajar.

8. Você só sabe de fato quando passa por situações que provam a você mesmo que você sabe de fato, e são nessas situações que você vê que não sabia era nada.

9. Para o amor não existe regra alguma.

10. Eu ainda preciso desconstruir muita coisa para construir de novo de acordo com aquilo que eu considero melhor, e não de acordo com aquilo que me foi ensinado.

11. Tudo depende da maneira como você enxerga.

every minute

12. A verdade é relativa (o que não é relativo meus amigos?).

13. As únicas coisas que são válidas para eu gastar meu dinheiro são: livro, comida (especialmente se for na companhia de bons amigos <3), show e viagem.

14. Sempre haverá tempo para amigos e família. Sempre, basta eu querer.

15. E com o de cima aprendi que a gente coloca muita coisa em prioridade apenas na fala. Muita gente diz que a prioridade é quem ela ama, mas nunca tem tempo para quem ama. Isso não é prioridade de fato, é só na fala.

16. Amizades são passageiras e tudo bem.

17. A melhor forma de ser mudada é através de relacionamentos interpessoais.

18. Apesar de tudo e de qualquer coisa Deus sempre vai me amar, não importa nada do que eu faça ou para onde eu vá, Ele sempre está por perto pra me aconchegar no final.

19. Raramente estarei cem por cento satisfeita, e tudo bem.

20. Me preocupar cada vez menos com o olhar e julgamento dos outros.

21. A vida adulta é dolorosa por demasiado, mas o amor, ah o amor, faz ela ser incrível apesar dos pesares.

amazing.
Refletir

Se reorganizando por fora (também)

sexta-feira, abril 10, 2015
Acho que com a idade você aprende a ser básica, talvez porque você está cada vez mais perto de se encontrar. Quando você vai se encontrando, você vai descobrindo exatamente o que quer, e então tudo fica mais simples. Ter a coragem de ser e transparecer aquilo que você é se torna mais simples e mais natural. Não importa se acham seu sapato minimalista demais e se você só tem uma causa jeans skinny. Quem precisa de duas? Na real mesmo, ninguém.

Essa simplificação só vem para facilitar a vida. Quando você sente falta de uma peça no guarda-roupa você sabe exatamente qual é e vai na loja sabendo exatamente com o que você vai sair levando dela. Não há aquele mundo de tentação nem desejo. Muito pelo contrário, rola até certa preguiça, porque você olha as roupas em todas aquelas araras e sabe que se levar pra casa vai ser apenas mais uma peça no seu guarda-roupa, passando um tempo ali até cair fora, praticamente sem ser usada.

É muito mais simples saber o que se quer, o que cai bem, o que você se sente bem usando, independente de qualquer coisa ou de qualquer um.
É mais simples sair de casa todos os dias. É mais simples olhar para dentro do seu guarda-roupa. É mais simples na vida, porque há conforto e segurança. E na minha humildade opinião esses são os dois pontos mais importantes. Se sentir confortável e segura com o que usa.

A leva de preço baixo acaba sendo uma tentação e você acaba comprando coisa que nem gostou tanto, experimentou e não vestiu tão bem, que ficou na dúvida se vai usar ou não, mas que pelo preço vale a pena levar.
Vai uma peça dessas um dia, duas em outra promoção e junta-se no guarda-roupa um punhado de peças que não combinam muito com você e que raramente são tiradas de lá, e quando sai você não se sente tão confortável ou confiante usando.

Eu achava que não era consumista na minha adolescência, até ter 21 anos. Hoje no meu guarda-roupa tenho muita camiseta que comprei anos atrás que não me identificava e ainda não me identifico, mas comprei porque estava com preço bom, porque é bom ter várias opções de camiseta e bah.
Hoje eu vejo que isso era um consumismo desnecessário.

Depois de um ano tendo comprado apenas duas calças legging (de forma planejada antes e tendo meus motivos), e alguns anos de amadurecimento interno eu tive uma mudança bem grande por fora, na forma de consumir e de me vestir.
Passei a me sentir mais liberta para usar o que quisesse independente de ser visualmente estranho para quem me cerca, se me sinto bem naquela roupa "estranha" então está tudo bem. Depois de um ano tendo apenas uma calça jeans no guarda-roupa, já velha de guerra, percebi que o pouco me basta e muito bem. 
Então comecei a rever meu guarda-roupa. Cheguei na conclusão de que temos tanto receio de fazer uma limpa nesse espaço e se livrar das roupas por ter medo de ficar com pouca coisa. Mas acreditem, pouca coisa faz bem e é bom. É muito melhor conhecer peça por peça do que você tem ali dentro, melhor ter peças que ornam entre si, melhor ter cada peça sabendo que você gosta dela e se sente bem usando e quer usar, do que ter muita peça dentro do guarda-roupa sem muito uso/ muita utilidade.

Depois de um ano só com uma calça jeans (larga e rasgadênha) cheguei a conclusão que precisava de uma skinny com o caimento perfeito, costura e bolso simples. Eu sabia exatamente o que queria e fui atrás disso! Se achava uma que era quase então não trazia para casa, ia ficar insatisfeita e querendo outra, então não valia. Até que achei, comprei e ando muito satisfeita com as duas calças que tenho.

Daí passei para as camisas. Gosto de coisa simples. Muito simples. As várias camisetas que  tenho (estou esperando para fazer A limpa ainda) não caem tão bem em mim e no meu estilo, acabo sempre usando as mesmas.. Vi que precisava de mais camisas cinzas, brancas e pretas, que são as cores que mais uso, mais gosto de usar. Como também listrada, azul com branco, branco e preto...
Ainda estou revendo isso, mas estou indo no caminho certo.

Usei por muito tempo a mesma sapatilha, bege com marrom de couro, no dia-a-dia e vi que precisava de uma nova, também básica para ir com tudo, porque não ia comprar duas, ia comprar só uma que já estava bom. Comprei uma preta de couro que vai com tudo e ainda consegue dar um up.
E minha birken velha de guerra também já estava arrasada e fiquei na dúvida entra comprar outra ou ir numa rasteirinha. Birken as pessoas consideram muito estranha, sapato de velho e todas essas coisas.. Mas era isso mesmo que eu queria e fui nela. Não há arrependimentos.

Consegui identificar tudo o que eu preciso e ir no consumo certo. Isso tudo porque, como disse acima, eu já me descobri por dentro (meu Deus quanta audácia) e consigo me expressar por fora melhor. Descobri que preciso de pouco. Que investir em uma peça mais cara e de boa qualidade é melhor que investir em várias não tão legais e de baixa qualidade. Que me visto para mim e para mais ninguém, sendo assim o que importa é o que eu acho e fim.
Além disso, eu acredito que o que vestimos é um complemento de fato daquilo que nós somos, é mais uma forma de nos expressarmos, e acho isso fantástico. Então temos de ter liberdade de usar o que quisermos. A birken estranha e a mesma calça jeans toda semana. É isso que nos faz bem e é isso que precisamos.

Permita-se fazer a limpa no seu guarda-roupa sem medo de não te restar nada. Ter pouco é melhor que ter muito. E também você assim irá comprar só aquilo que realmente precisa e lhe faz bem. Conhecer seu armário e seu estilo é simplesmente ótimo.
7 on 7

7 on 7: autorretrato

sábado, abril 04, 2015

Mais um mês passou e mais um tema surge nesse projeto. Em março a gente tinha que fazer autorretrato! Então eis que mergulho vocês num punhado de fotos com a minha pessoa hahaha.

A ideia que tive para esse tema foi de fotografar momentos corriqueiros da minha vida. Uma manhã. Uma olhada na janela, que eu realmente amo fazer. Momento de estudo. Make básica antes de sair... Essas coisas, dentro de casa mesmo. Não amei o resultado, mas está aí ;D










Diversão

Mundo em 2

sexta-feira, abril 03, 2015
Caros amigos, depois de 21 anos existindo cheguei a conclusão que o mundo, em vários momentos, pode ser dividido em dois grupos.
Seguem os grupos:


Quem para no lado esquerdo da escada rolante x Quem sabe que lado esquerdo é feito pra quem quer andar.
Como até hoje vocês não sabem disso, MEU DEUS ?!

Quem gosta do sabor do café x Quem gosta só do cheiro do café.
Gostar do sabor do café é um dom.

Quem levanta no ônibus ainda longe do ponto x Quem levanta só quando chega no ponto.
Pra que levantar com o ônibus em movimento fazendo malabarismo sem esbarrar nos outros?

Quem ainda precisa se apoiar no ferro quando anda de metrô no horário do rush x Quem anda de metrô sem precisar segurar em nada no horário do rush
Não é difícil compreender que ninguém cai no metrô no horário do rush. Apenas.

Quem não entende o feeling twitter x Quem entende o feeling twitter.
Aqui está outro dom, mas um dos bons. Pessoas que compreendem o feeling do twitter: melhores pessoas.

Quem precisa de explicação para entender citação de Friends em uma conversa x Quem entende citação de Friends numa conversa
Existe alguém que não tenha visto todas as temporadas de Friends? Pior que existe.

Os não viciados em séries x Os viciados em série.
Os viciados em série formam um mundo maravilhoso.

Quem sempre tem uma desculpa na hora de marcar algo com os amigos x Quem sempre dá um jeito de arrumar tempo para amigos.
Essa divisão existe sim, muito claramente na minha mente até, e eu julgo e me irrita.

Pessoas que votaram no Aécio x Pessoas que votaram na Dilma.
Meu Deus isso divide o mundo literalmente, e daqui pode surgir tantas outras divisões.

Os que tem o facebook como a melhor rede social x Os que tem o twitter como melhor rede social.
Repito: pessoas que compreendem o feeling do twitter: melhores pessoas.


Eu, como pessoa com bom senso, com bom humor e com coração grande com os outros (hahahaha) me encaixo sempre no segundo grupo, e vocês, e a gente senta na mesma mesa?


Instagram